5 mitos sobre o intercâmbio que você precisa parar de acreditar - DPB Intercâmbio
Connect with us

5 mitos sobre o intercâmbio que você precisa parar de acreditar

mitos-sobre-o-intercambio-estudantil

Intercâmbio

5 mitos sobre o intercâmbio que você precisa parar de acreditar

Chega um momento em nossa vida profissional que a gente pensa “O que falta para minha carreira deslanchar e eu ser bem sucedida?”. Nessa hora, vem a lembrança do inglês e daquele intercâmbio que você passou a vida toda adiando. No auge dos seus 30 anos, você já tentou estudar o idioma várias vezes, mas nunca completou nenhum curso, estagnando no nível básico ou no intermediário.

Essa situação pode até causar frustração, afinal, se você dominasse a língua, hoje você estaria apta a fazer uma pós-graduação no exterior ou até mesmo a conseguir um emprego lá fora na sua área. O bom é que nem tudo está perdido! Você ainda pode virar esse jogo. Neste post, nós vamos desvendar todos os mitos sobre intercâmbio estudantil para mostrar que é chegada a hora de realizar esse sonho. Acompanhe!

Mito 1: Estou velho

Por ser muito realizado por adolescentes que optam por terminar o ensino médio em outros países e, também, por universitários durante a graduação, ficou uma impressão de que intercâmbio estudantil é para os mais jovens. Isso não é verdade!

Atualmente, existem cursos voltados para os mais diversificados perfis, alcançando até mesmo o público idoso. Portanto, a idade certa para ir é aquela que você tem. A maturidade, inclusive, pode ser usada a seu favor, pois certamente você se dedicará muito mais a cumprir seu objetivo.

Mito 2: Intercâmbio é caro

Toda viagem tem um custo, principalmente fazendo intercâmbio. Porém, sempre é possível encontrar um programa que se encaixa no seu orçamento. Se estiver com menos reserva financeira, escolha um país com custo de vida menor. Além disso, os cursos oferecem alternativas de pagamento, como parcelamentos e financiamentos.

Mito 3: É muita burocracia

Sempre há certa burocracia para viajar para outro país. As regras são mais rígidas em uns e menos rígidas em outros. Com planejamento, paciência e seguindo as condições de imigração corretamente, nada vai impedi-lo de perseguir seu objetivo.

Além disso, atualmente existem várias empresas de intercâmbio estudantil que podem ajudá-lo bastante neste processo. A avaliação de intercambistas sobre agências e escolas é fundamental nesta escolha.

Mito 4: Ou estudo ou me divirto

Cada pessoa que faz um intercâmbio estudantil volta com uma bagagem diferente. Uns retornam absolutamente fluentes, outros falando e escrevendo muito bem, porém também tem aqueles que chegam ao Brasil com baixo aproveitamento no inglês.

Como tudo na vida, é você quem vai decidir a forma como vai encarar seu intercâmbio e o proveito que vai tirar dele. É possível sim, estudar com dedicação, trabalhar e se divertir, desde que você saiba se organizar. O ideal é balancear esses pontos para cumprir seu objetivo de aprender inglês e ainda ter boas histórias para contar quando voltar.

Mito 5: Aprendo quando viajar

Apesar de viagens serem uma boa oportunidade para treinar o inglês, existe uma imensa diferença entre visitar um país e morar nele. Só vivenciando situações do cotidiano, estudando com dedicação e tendo contato frequente com o idioma você conseguirá sua tão sonhada fluência.

Uma vez desvendados os mitos, está claro que a melhor forma de aprender inglês é fazendo um intercâmbio estudantil e que não há motivos para esperar mais anos se passarem. Realize logo esse sonho para não se arrepender depois!

 

E você, já realizou o seu? Conte-nos sua experiência!

Angelo já subiu um vulcão na Indonésia, se perdeu entre campos de arroz do Vietnã (e de Ascurra) e cruzou a Índia de trem. Mora na Irlanda desde 2012 e já visitou quase 50 países. Além de viajante, também é fotógrafo, videomaker e um dos fundadores do DPB.

Click to comment
To Top